Notícia


Política
Fonte: g1 - Fonte:

Presos da 33ª fase da Lava Jato chegam à sede da PF em Curitiba


Ex-presidente e ex-diretor da Queiroz Galvão foram presos nesta terça (2). Força-tarefa diz que empresa pagou propina e interferiu na CPI da Petrobras. Os presos da 33ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada nesta terça-feira (2), chegaram à Superintendência da Polícia Federal em Curitiba por volta das 18h. O ex-presidente da Queiroz Galvão Ildefonso Colares Filho e o ex-diretor Othon Zanoide de Moraes Filho foram presos preventivamente no Rio de Janeiro e ficarão na cadeia por tempo indeterminado. Há ainda o mandado de prisão temporária em aberto no nome de Marcos Pereira Reis, ligado ao consórcio Quip, que tinha a construtora Queiroz Galvão como acionista líder. Os advogados que o representam informaram que ele está na China a trabalho e que providencia retorno para o Brasil. Eles se juntam a outros presos da operação como Alberto Youssef, Pedro Correa, Marcelo Odebrecht, João Claudio Genu, Zwi Skornicki e Renato Duque. Nesta fase, as investigações da Operação Lava Jato se voltaram para a Queiroz Galvão. A empresa é suspeita de formar cartel para fraudar contratos na Petrobras; pagar propina por meio de doação eleitoral e via caixa 2; corromper funcionários público e políticos; interferir na CPI da Petrobras e manter funcionários no exterior, longe da ação da Justiça brasileira. A 33ª etapa foi batizada de "Resta Um" porque, segundo a Polícia Federal, a Queiroz Galvão era a última empreiteira que faltava na investigação sobre formação de cartel na Petrobras. Esta é a segunda prisão de Ildefonso Colares Filho e Othon Zanoide de Moraes em decorrência da Lava Jato. Em novembro de 2014, eles foram detidos na 7ª fase e soltos dias depois por determinação da Justiça. Em nota, a Construtora Queiroz Galvão informou que está "cooperando com as autoridades e franqueando acesso às informações solicitadas". A reportagem tenta contato com a defesa dos demais envolvidos. Novas provas "Há indícios, que incluem a palavra de colaboradores e um vídeo, de que 10 milhões de reais em propina foram pagos pela Queiroz Galvão com o objetivo de evitar que as apurações da CPI tivessem sucesso em descobrir os crimes que já haviam sido praticados até então", segundo o Ministério Público Federal (MPF). "Temos um novo contrato, num valor bastante alto, um contrato de R$ 1,2 milhão, que está sob análise pericial para demonstrar que foi usado para pagamento de propina", disse a delegada da Polícia Federal Renata da Silva Rodrigues. Além disso, segundo a delegada, foi decisivo para as investigações o vídeo que mostra a negociação entre operadores e o então presidente do PSDB, Sérgio Guerra (PE), para esvaziar a CPI sobre suspeitas de superfaturamento nas obras da refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco. ASSISTA AO VÍDEO. "Embora houvesse relatos da reunião, só recentemente o vídeo foi compartilhado pelo Supremo Tribunal Federal e passível de ser usado nas investigações. Ele mostra de forma muito clara a atuação das pessoas, num encontro de lobistas com operadores financeiros, agentes públicos e parlamentares. No nosso entender, demonstra uma atuação direta dos investigados para obstruir as investigações", disse Renata. Segundo a delegada, o vídeo foi entregue às autoridades pelo dono da sala comercial em que ocorreu a reunião. Ele seria amigo do operador Fernando Baiano. Campanha de Lula O procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima afirmou nesta terça que a empreiteira Queiroz Galvão é investigada por pagar caixa 2 para a campanha de Luiz Inácio Lula da Silva em 2006. Segundo delação de Ricardo Pessoa, ex-presidente da UTC Engenharia, uma empresa que participou de consórcio com a Queiroz Galvão, o repasse para a campanha chegou a R$ 2,4 milhões. A delegada Renata da Silva Rodrigues afirmou que a investigação sobre doações eleitorais da campanha de 2006 ainda estão em andamento. Segundo ela, doações da Queiroz Galvão foram intermediadas pelo doleiro Alberto Youssef, considerado operador do esquema na Petrobras. A PF identificou três ou quatro parlamentares envolvidos, mas eles não são o alvo desta fase da operação. "Nosso objeto são os indivíduos que não têm foro [privilegiado]", disse. Outras investigações Segundo a PF, a Queiroz Galvão é a terceira maior empresa em volume de contratos com a Petrobras, que superam R$ 20 bilhões. "A maioria desses contratos foi alvo de cartel de empreiteiras para maximização dos recursos dessas empresas privadas, com prejuízos bilionários para a estatal pretrolífera", disse Jerusa Burmann Viecili, procuradora da República. Segundo ela, a empresa já apareceu em outras três operações sobre esquemas de corrupção – duas delas foram anuladas por tribunais superiores. Na Lava Jato, a empresa foi alvo da 7ª fase da operação, quando foram presos Ildefonso Colares Filho e Othon Zanoide de Moraes Filho. Marcos Pereira Reis, que teve a prisão temporária decretada, ainda não foi preso porque está no exterior.